segunda-feira, 11 de maio de 2009

Domínio de um sentido

(Ivana Almeida)
Alguém passa por mim e deixa no ar um leve e malicioso sorriso e, aproximando-se, segura minha mão. Caminhamos juntos por longo tempo. Minha razão de ser não mais existia, tornei-me incógnita aos meus olhos, com pensamentos sórdidos e superfluidades nas demais áreas.
Marchamos à batalha da vida: sem sucesso. Suas mãos encobriram meus olhos e eu confiei - não sabia que a muito estava cega. Experimentamos os prazeres mais lascivos e estava ciente de que nada nos satisfazia completamente, mas mesmo assim ele bem parecia perito pelos caminhos que me levava, enquanto eu, ainda engatinhando.
O inverno chegou e com ele a solidão que abatia minha alma. Por que tudo estava tão distante das minhas mãos? Por que achava confuso o ritmo da vida? Teria alguém para me arrancar destas interrogações?
O vento sopra mais forte agora. Vejo as folhas caídas das árvores voarem de acordo com o compasso da brisa gélida. Sinto que estou fazendo tudo errado; ilícito.
Saiu então pelas ruas a vagar. A escuridão tomava conta – esta situação me apavorava – e pareço estar só, quando olho para trás... “Não! Era o “alguém” que já vinha perto.” Ultimamente nossa amizade estava um fiasco: sinto-me perseguida. Tento então dar passos longos e acelerados, mas quando este me alcança, fez-me cair numa poça de lama. Levantando, arrisco uma nova fuga - estava deserta e temerosa.
Por incidência do destino encontro um homem de branco mais à frente... De onde eu o conheço, meu Deus? Nesse instante, recordações invadem meus pensamentos. Claro! ele foi meu amigo há um tempo atrás! mas, como pude eu me esquecer dele?
Sinto meu cheiro fétido e olho meu estado: farrapos! Uma sensação embaraçosa e de desconforto.
Quase fugiu da cabeça que àquele ainda estava atrás de mim, mas ao notar minha aflição, este de cor clara, conduziu-me a um lugar mais sossegado. Com sua imensa generosidade, deu-me novas roupas com as quais pude me sentir menos inferior e mais à vontade naquela situação.
- Ficaram ótimas, olhe! – disse, achando estranho o fato de terem me caído tão bem.
- Eu mesmo as escolhi, sabia que você iria precisar.
Nesse momento foi como se quisesse petrificar o tempo para estar ali, mesmo que em silêncio, mas atiçado meu desejo permanente de felicidade. Sinestesias e metáforas invadiram meus pensamentos dos bons amigos.

12 comentários:

  1. eu estou besta
    com tamanha riquesa

    ivana, me perdoe ,
    mas vc superou nessa.

    vc foi alem da razão
    entre o limite da emoção
    discutindo realidades
    e pontos de vistas.

    me tocou pela forma de expressar
    pela inoçensia diante da interrogação
    perdida aonde nem sabia como começou

    eu estou bismado nessa historia

    mas retorna a simplicidade do valor
    da amizade , que nos torna confiantes
    em compalhia pelo mundo...

    só posso dizer que parabens
    essa valeu muitos elogios

    só poderia ser ivana
    com suas palavras...

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Amiga, quanto mais o tempo percorre mais tenho a certeza de que apostar em ti é algo certo. Sempre me surpreendendo com palavras tocantes e singulares que até comoveram meu coração intocável por palavras lidas.
    Lindo texto!
    Onde encontras tanta inspiração!?
    Eveline.

    ResponderExcluir
  4. Jam, todo dia é um agrado receber seus comentários e opiniões! Muito obrigada mesmo! Vamos longe!

    ResponderExcluir
  5. Ivana Ivana Ivana, quero ver seu livro em breve viu ;D
    Continue assim :D

    ResponderExcluir
  6. Hosana, conseguir o quê, mulher? uahuhau

    ResponderExcluir
  7. Eva, minha princesa, a gente cresce juntas, nao esqueça! Muito obrigada, seu reconhecimento é importante pra mim!

    ResponderExcluir
  8. Eita Pedro, e se o livo tiver mais de 100 paginas? uahuauhha beijo!

    ResponderExcluir
  9. Crescemos e cresceremos mais e mais, você com sua escrita aprimorada e eu com meu falar e expressar atípicos! O mundo nos espera, e nele não vamos fazer feio! Escrever todos escrevem, mas escrever para tocar leitores, quase ninguém, você consegue faze-lo mais do que muitos, parabéns amiga, assim vais longe!
    Eveline

    ResponderExcluir
  10. Quem disse que nos preoculpamos com páginas, Ivana?

    O conteúdo é a melhor parte das suas histórias!

    QUEREMOS SEU LIVRO EM BREVE!

    ResponderExcluir
  11. kkkkkk, certo! Agora se nao comprarem eu pego vocês! :D

    ResponderExcluir