segunda-feira, 8 de junho de 2009

Infinitivo


(Ivana Almeida)
Não era bem a melhor primavera. De um lado, meus olhos testemunhavam à nudez da natureza, a manifestação peculiar do tango dos pássaros e a orquestra dos grilos; de outro, uma solidão, filha da mãe! Não deveria ter permissão de ser único nessas situações. Sou a imagem desbotada que passeia pela cores naturais. Meus pensamentos alcançam dimensões absurdas: o existir da natureza e o meu Ser – mas parece que eu apenas consigo alcançar a realidade nessa loucura de ser alguém. Preciso de bem mais que o concreto; quero flutuar em todos os planos. Eu sinto que existo, mas estou repartido em frações de horas, de gostos, de amores, de pesadelos e de constantes rumores sobre mim. Por dentro estou rasurado, marcado pelas conseqüências das minhas inconstâncias, e minhas paixões, escassas pela falta de uso. Como usaria de sentimentos para conseguir ser em outra pessoa, se toda vez que penso, a solidão me nega essa possibilidade? Preciso saber quem sou para sobreviver em alguém.

14 comentários:

  1. muito bom....
    "preciso saber quem sou para sobreviver em alguém".

    ResponderExcluir
  2. uma critica pessoal:
    kkk, sua representação da natureza
    em disposição da visão do homem
    é perfeita d+++, por vc ter conseguido
    alinhar o real com o belo.

    nem sei explicar,
    se digo como suas palavras
    mais uma vez voaram na beleza
    por cada momento de cada pensar.
    ou se lhe digo como vc
    descrevel naturalmente
    um pessoa contraida a sim mesma
    pela dor de um propio sentimento.
    ou sua conclusão que muitos sabios
    ja morreram e não intenderam
    o sentido de sobreviver...
    fantastico tambem é vc jogar tudo
    em um só contraste, retomando
    a ideia de perdido e esgotado
    por não conseguir mais viver.
    é de chorar...

    pois nenhuma razão
    compreende a emoção
    mais só o coração
    é capaz de ter a paixão
    de salvar um ser.

    simplismente amei.
    parabens , foi 100000000

    ResponderExcluir
  3. Gustavo, obrigada pelos puxões de orelha para me fazer escrever :D

    ResponderExcluir
  4. Essa Ivana ainda me mata de emocao *----*

    ResponderExcluir
  5. O engraçado, Jam, é que todos nós, um dia, já passamos pela crise do 'ser e existir' como escutamos falar de Linhares Filho. Obrigada mesmo por, mais uma vez, tecer um bom comentário motivador.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. por nada Ivana...estarei cobrando sempre...afinal, gosto do seu jogo com as palavras...(gustavo)

    ResponderExcluir
  8. "Não deveria ter permissão de ser único nessas situações". Há sempre alguém sentindo a mesma coisa. Alguém repartido, alguém rabiscado, alguém amassado, alguém queimando. O que muda é o ângulo e a resposta.
    Tanto é assim que me vejo nas tuas palavras.

    ResponderExcluir
  9. E assim você me mata de orgulho, lindo, muito lindo. Dentre todos os outros (exceto As regras de Martez) esse me levou ao extremo dos meus pensamentos, fazendo me encontrar com meu eu perdido. Segundo melhor, belas palavras.
    Rumo ao livro!

    ResponderExcluir
  10. Do pouco que entendi achei muito bom, principalmente esta frase ''...mas parece que eu apenas consigo alcançar a realidade nessa loucura de ser alguém.'' que retrata muito bem a grande luta das pessoas em busca do reconhecimento.

    ResponderExcluir
  11. vou começar a ler Budapeste esses dias ^^

    teu texto é meio que a antitese da minha postagem anterior... =]

    ResponderExcluir
  12. "Sou a imagem desbotada que passeia pela cores naturais. "

    Putz, ficou simplesmente lindo o texto Ivana!
    Parabéns mais uma vez!
    =*

    ResponderExcluir
  13. Eii, eu tô excluindo meu blog antigo, mas espero ainda contar com tua presença, agora no blog novo
    www.euthiagoassis.blogspot.com

    =]

    ResponderExcluir